Presidente sanciona Acordo do Clima e diz que governo “está preocupado com o futuro”

michel-temer-acordo-do-clima

Temer ressaltou que Brasil tem grandes reservas naturais e que compromisso é “obrigação” de governo

Deivid Souza / Foto: Divulgação Planalto

O presidente da República Michel Temer ratificou nesta manhã o Acordo do Clima. Na cerimônia, Temer ressaltou que a preservação do meio ambiente é dever de todos os governos. “Não é a vontade de um ou outro governo que irá, digamos assim, enaltecer a questão do meio ambiente. Esta é uma obrigação dos governos”, frisou.

Em seu discurso, o presidente destacou que o País tem as maiores reservas florestais e de água doce do mundo. “Nosso governo está preocupado com o futuro, tudo que fazemos hoje não visa ao dia de amanhã, mas visa a um futuro que preserve as condições dos brasileiros no meio ambiente e em todos os demais setores, mesmo aqueles referentes a economia nacional”, disse.

A ratificação do acordo estava marcada para semana passada, mas foi adiada. Antes disso, havia a expectativa de que o presidente entregasse o compromisso na reunião do G20.

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, afirmou em sua fala que em breve será possível acompanhar em tempo real o desmatamento na Amazônia.

Futuro

O Brasil é um dos 197 países que assumiu o compromisso de reduzir as emissões de Gases do Efeito Estufa em Paris em 2015. O País pretende que essa queda seja da ordem de 37% até 2025, com indicativo de cortar 43% até 2030.

Para entrar em vigor, o Acordo de Paris precisa ser ratificado por pelo menos 55 países responsáveis por 55% das emissões globais de carbono. Causador de 2,48% delas, o Brasil contribuirá, agora, para que o pacto comece, de fato, a valer.

 

Entre os principais objetivos do protocolo, estão:

– Limitar o aumento da temperatura média global a bem abaixo de 2°C em relação aos níveis pré-industriais e empreender esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C;

– Promover o financiamento coletivo de um piso de US$ 100 bilhões por ano para países em desenvolvimento, considerando suas necessidades e prioridades;

– Criar um mecanismo de revisão a cada cinco anos dos esforços globais para frear as mudanças do clima;

– Fortalecer a implementação da UNFCCC sob os seus princípios.