Goiás terá programa de incentivo à geração de energia solar

Peacekeeping - UNIFIL

Estado tem atualmente 130 unidades de geração distribuída

Deivid Souza / Foto: ONU

Isenção de impostos, linhas de crédito exclusivas e simplificação no licenciamento ambiental são algumas das ações que fazem parte do Programa Goiás Solar, que será lançado pelo governo do Estado nesta quinta-feira (16). O objetivo da iniciativa é incentivar o consumo e a geração de energia fotovoltaica em Goiás.

O programa do Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (SECIMA) vai trabalhar principalmente as questões tributárias, de financiamento, infraestrutura, desburocratização, conscientização e desenvolvimento da cadeia produtiva. As ações começaram a ser desenvolvidas a aproximadamente há um ano e contaram com o apoio da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSolar).

O presidente da ABSolar, Rodrigo Sauaia, defende a ação do Governo de Goiás. “O estado de Goiás tem sido uma liderança no incentivo ao desenvolvimento da energia solar fotovoltaica, tendo tomado uma série de medidas a favor desta fonte limpa, renovável e sustentável, como, por exemplo, a adesão ao Convênio ICMS 16/2015, que isenta de ICMS a energia da micro e minigeração distribuída, tornando-a mais competitiva”, lembra.

A Região Centro-Oeste tem um dos maiores índices de incidência solar do Planeta, e no Brasil este indicador também está acima da maioria dos demais países do mundo. No Brasil, a energia solar fotovoltaica representa menos de 1% da matriz energética.

Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), consultados pelo Canal Sustentável, nesta terça-feira (14), revelam que Goiás tem 130 unidades consumidoras com geração distribuída, ou seja, pontos que geram energia seja solar fotovoltaica, eólica ou de outra modalidade. A potência instalada é de 1.707 Kw. O estado de Minas Gerais lidera o indicador com 1.794 conexões, seguido por São Paulo (1.497) e Rio Grande do Sul (RS). No Brasil são 8.252 unidades consumidoras com o sistema de geração distribuída.

De acordo com a assessoria da ABSolar, a instituição trabalha junto com a SUDECO e os Governadores da região no desenvolvimento de uma linha de financiamento para o Centro-Oeste, similar à linha FNE SOL, sistema de crédito que permite acesso a taxas de juro reduzidas, prazo para quitação de até 12 anos e carência de seis meses a um ano.