Tag: ENERGIA RENOVÁVEL

Eficiência energética

Brasília sedia  cursos de eficiência energética

Capacitação é voltada a profissionais de engenharia, arquitetura, direito, economia, administração e áreas relacionadas

Deivid Souza / Foto: MMA

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) realiza, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), cursos para Certificação Internacional de Profissional em Medição e Verificação (CMVP) e para Guia de Medição e Verificação, ambos voltados à eficiência energética. As formações serão gratuitos e acontecem entre os dias 7 e 10 de fevereiro em Brasília. 

As capacitações são voltadas aos profissionais de engenharia, arquitetura, direito, economia, administração e áreas relacionadas.  O prazo para inscrição segue até o dia 20 de janeiro. O edital está disponível no site do MMA. Haverá processo seletivo entre os inscritos para realização do curso e os postulantes precisam apresentar documentos que comprovem formação e atuação profissional.

O curso para CMVP terá 28 horas de duração, incluindo o exame de certificação de quatro horas, e ocorrerá de 7 a 10 de fevereiro. Já o treinamento sobre o Guia de Medição e Verificação do Programa de Eficiência Energética (PEE) da Aneel contará com um total de 24 horas de duração e será realizado entre 13 e 15 de fevereiro.

FOTO ANEEL

Goiás terá seis miniusinas de energia solar

Primeiro empreendimento de energia solar será construído em Morrinhos-GO com investimento de R$ 35 milhões

Deivid Souza / Foto: ANEEL

Uma subestação de Morrinhos, município da Região Sul de Goiás, distante 128 quilômetros de Goiânia, vai abrigar a primeira de seis miniusinas de energia elétrica produzida por placas fotovoltaicas. Serão investidos R$ 35 milhões.

A unidade de Morrinhos deve funcionar até o segundo semestre deste ano. Para o empreendimento, a Celg Geração e Transmissão (Celg G&T) se associou à Construtora Villela Carvalho.

A miniusina de Morrinhos será gerida pela Planalto Solar Park, detentora de 51% das ações. A empresa japonesa Kyocera Brasil será a fornecedora das placas para a produção da energia solar enquanto a Celg G & T – cuja participação acionária será de 49% – ficará responsável pelo financiamento do empreendimento.

A expectativa dos investidores é que as outras cinco miniusinas fiquem prontas em 12 meses.

Brasil

De acordo com dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSolar), o segmento de micro e minigeração – faixa na qual se enquadra o projeto – distribuída solarfotovoltaica, conta atualmente com mais de 6000 sistemas em todo o País, representando mais de 42 MW (megawatts) em potência instalada, o equivalente a mais de R$ 375 milhões em investimentos privados.

retrospectiva-2016

Retrospectiva 2016

Confira alguns fatos sobre a sustentabilidade em 2016 na retrospectiva do Canal Sustentável

janeiro

Para Nasa, 2015 foi o ano mais quente da história

A média da temperatura global em 2015 foi a mais alta já registrada desde o início da medição das temperaturas na superfície da Terra, em 1880. A informação foi divulgada no dia 20 de janeiro de 2016 pela Nasa e confirmada pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, que chegaram a essa conclusão em estudos independentes.

 

fevereiro

Projeto é lançado em Goiânia para diminuir geração de resíduos

Foi lançado em fevereiro o “Residência Resíduo Zero Goiânia”. A iniciativa consiste em selecionar 100 famílias para serem acompanhadas por técnicos que vão orientar os participantes a reduzirem o volume de lixo. Os participantes recebem um kit de compostagem para transformar resíduos orgânicos em adubo.

 

março

Aneel determina menos burocracia para energia renovável

A entrada em vigor, no 1º de março de 2016, da resolução normativa número 687 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) tem objetivo de facilitar a instalação de homologação da geração doméstica. Estes sistemas foram regulamentados no Brasil em 2012 pela resolução normativa 482. Leia notícia completa clicando aqui.

 

abril

Mudanças climáticas ameaçam saúde pública

O governo dos Estados Unidos publicou no dia 5 de abril os resultados de um estudo que conclui que as alterações climáticas terão efeitos nocivos na saúde pública da população nas próximas décadas.

Desenvolvido durante três anos por órgãos federais, o estudo mostra que no verão de 2030 serão registradas cerca de 11 mil mortes, em comparação com os números atuais, por causa do “calor extremo”, e que em 2100 o número de mortes devido às altas temperaturas chegará a 27 mil, caso não seja feito um esforço “acelerado” para conter as alterações climáticas. Leia notícia completa clicando aqui.

 

maio

Câmara discute diesel para carros leves

A liberação do diesel para carros leves esteve em pauta na Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves da Câmara Federal. O retrocesso ainda ronda o País. Pela medida, o PL 1013/11, libera a fabricação e comercialização de veículos automotores leves movidos a óleo diesel, de uso rodoviário, em todo o território nacional. Notícia completa aqui.

 

junho

Preço de combustíveis fósseis ameaçam energias renováveis

Usar fontes renováveis de energia é fundamental para conter as emissões de gases do efeito estufa, mas só pensar em novas tecnologias e em políticas públicas para sua adoção não é suficiente. Segundo pesquisa publicada na versão online da revista “Nature, o preço dos combustíveis fósseis precisa colaborar.

 

julho

Fica discute produção de alimentos no Cerrado

A XVIII edição do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica), na Cidade de Goiás, que fica a 148 quilômetros de Goiânia, na Região Noroeste do Estado, discutiu em 2016 a produção de alimentos e a conservação do Cerrado. Notícia completa aqui.

 

agosto

Novas espécies de plantas no Cerrado

A Universidade Federal de Goiás (UFG) descobriu duas novas espécies de plantas. Nomeadas de Bacharis sp. novae e Neojobertia alboaurantiaca, as novas variedades foram encontradas no Sudoeste Goiano, durante o trabalho de campo de uma equipe de pesquisadores da Regional Jataí. Veja fotos e mais informações aqui.

 

setembro

Brasil busca desenvolvimento de energia solar inovadora

Um sistema de energia solar inédito no Brasil, que está sendo estudado como alternativa às hidrelétricas, pode ser implantado no semiárido pernambucano, no município de Petrolina, a partir deste ano. Com a ajuda de um instituto alemão, a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) e a Universidade Federal do Ceará (UFC) pretendem construir um projeto-piloto na cidade para testar a tecnologia heliotérmica que, ao contrário dos equipamentos solares já usados no país, pode armanezar energia para ser usada, inclusive à noite. Veja notícia completa aqui.

 

outubro

Taxa de crescimento de veículos é maior que de pessoas em Goiânia

Reportagem especial do Canal Sustentável demonstrou como a cultura do carro prejudica cidadãos afetando meio do meio ambiente, saúde e finanças.

O número de veículos nas ruas de Goiânia aumenta a uma taxa superior à da população. O crescimento amarra a velocidade dos deslocamentos, mas acelera a poluição do ar e a violência no trânsito. No ano de 2015 a taxa de incremento da população foi de 1,25%, enquanto a quantidade de carros, motocicletas e caminhões cresceu 1,55%. A população estimada de Goiânia atualmente é de 1.448.369 habitantes, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os veículos somam 1.163.121 unidades e para cada novo morador que nasce ou chega a Goiânia quase um carro é colocado nas ruas. Leia notícia completa clicando aqui.

 

novembro

Acordo do Clima entra em vigor

O Acordo de Paris, mais conhecido como acordo do clima, contra a mudança do clima entrou em vigor no dia 4 de novembro de 2016. Todos os países que o ratificaram têm a tarefa de estabilizar o aquecimento global em bem menos de 2oC em relação à era pré-industrial e fazer esforços para limitá-lo a 1,5oC. Saiba mais clicando aqui.

 

dezembro

Cerrado tem 307 espécies ameaçadas de extinção

Os dados do Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção, divulgado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) apurou que 307 espécies do Cerrado correm risco de desaparecer. Outras 123 espécies endêmicas no Bioma correm o mesmo risco. Leia notícia completa clicando aqui.

Por Canal Sustentável

Acordo de Paris

Acordo de Paris carece de engajamento social

 Grupos de empresários marcaram presença na COP22, realizada no Marrocos, que discutiu o Acordo de Paris. Eles defendem a criação de mecanismos de incentivo à economia de baixo carbono

Deivid Souza / Foto: UNFCCC

A palavra dos líderes mundiais sobre o Acordo de Paris ao final da 22ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP22), realizada em Marrakesh, no Marrocos, é de avançar no cumprimento da meta global, que entrou em vigor no início de novembro.

No entanto, um dos destaques da reunião foi o entendimento de que os governos precisam ter mecanismos fortes para envolver empresas, sociedade civil organizada, cientistas e setor privado, entre outros.

“Nossa tarefa agora é construir rapidamente este impulso e avançar na redução das emissões de gases do efeito estufa, bem como promover os esforços de adaptação, apoiando a Agenda 2030 e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)”, diz o texto.

No Brasil, alguns setores têm se organizado e trabalhado pela regulamentação de mecanismos de controle das emissões de gases do efeito estufa (GEE). Durante a conferência, o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) lançou, em parceria com o Carbon Disclosure Project (CDP) e apoio do We Mean Business o estudo Precificação de carbono: o que o setor empresarial precisa saber para se posicionar. “Trouxemos o estudo a público aqui na Conferência do Clima porque as empresas são parte indissociável das soluções em favor da descarbonização da economia mundial e este é um mecanismo que traz maior previsibilidade para seus investimentos e maior competitividade para as soluções empresariais de baixo carbono”, defendeu a presidente do CEBDS, Mariana Grossi.

A União Europeia e cerca de 40 países e 24 territórios subnacionais já precificam o carbono, cobrindo 13% das emissões mundiais, de acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A apresentação do estudo sobre precificação do carbono é um sinal da presença de empresários na COP22.

Existem três mecanismos principais de incentivo às práticas de desenvolvimento sustentável: incentivos econômicos, regulamentações e cobrança social. Destes, os governos têm um papel essencial por ter condições de regulamentar proibições ou mesmo incentivos econômicos.

Muitas organizações não governamentais consideraram como bem sucedida a conferência, apesar de incertezas relativas ao resultado das eleições americanas.

Ameaças

Durante a COP22, o presidente Michel Temer vetou o estímulo ao carvão mineral, após pressão de vários organismos ambientalistas firmarem posição contra o mecanismo. Mas o Brasil ainda tem outros desafios e precisa ficar atento às estratégias de cumprimento do acordo já que no último ano as emissões de GEE aumentaram 3,5% em relação a 2014.

Acordo do clima

Acordo do Clima entra em vigor

Acordo do clima tem objetivo de estabilizar aquecimento global em menos de 2°C

Deivid Souza

O Acordo de Paris, mais conhecido como acordo do clima, contra a mudança do clima entrou em vigor nesta sexta-feira (4). Todos os países que o ratificaram têm a tarefa de estabilizar o aquecimento global em bem menos de 2oC em relação à era pré-industrial e fazer esforços para limitá-lo a 1,5oC.

No entanto, essa meta só será alcançada se população, empresas e organizações civis se engajarem na causa. A maioria das emissões brasileiras são originárias do desmatamento, ou seja, para reduzir os índices de emissão de Gases do Efeito Estufa (GEE) o Brasil precisa atacar a derrubada de nossas florestas.

O aumento da eficiência energética, implementação de tecnologias agrícolas também são medidas urgentes e necessárias para o Planeta.

 

Viva o Acordo de Paris. Mas não há tempo de comemorar: a hora é de agir.

maanasa

Garota de 13 anos cria sistema portátil que gera energia limpa

Equipamento que capta energia do sol tem custo de US$ 5

Após uma viagem à Índia, Maanasa Mendu, uma estudante norte-americana de apenas 13 anos, decidiu criar um sistema (de energia limpa) que ajudasse a solucionar o problema da falta de energia em regiões isoladas e que tivesse baixo custo, justamente para ser acessível a essas comunidades. Depois de muitos testes, ela desenvolveu um projeto apelidado de Harvest.

O equipamento foi fabricado com materiais simples e custou apenas US$ 5. Inicialmente, a ideia era criar um dispositivo apenas para aproveitar a energia eólica. O primeiro protótipo criado por ela usava o vento como única fonte de energia e já era eficiente. Mas, ao se inscrever para um concurso de jovens cientistas, ela recebeu o apoio de uma tutora que sugeriu melhoras no projeto, para que o potencial solar também fosse aproveitado.

Foto: Divulgação

Continue lendo a reportagem no CicloVivo.